mae

A maternidade é um processo contínuo de aprendizados que se sucedem desde que descobrimos que somos mães até, provavelmente, nosso último dia de vida nessa dimensão terrena.

Acredito que todas as coisas que acontecem dentro desse ciclo natural da vida tem uma motivação. Logo no início da primeira gestação, até onde conheço por experiência e por compartilhamento com tantas outras mães, vem uma insegurança e perguntas como: “será que estou pronta?”; “será que consigo suprir as necessidades desse bebezinho?”; “será que…?” são vários.

Então, os nove meses de gestação humana tem em si a sabedoria de um processo que vai intensamente ligando essas vidas, de forma que a mãe vai se desapegando das perguntas iniciais e vai se envolvendo com a preparação da chegada do bebê. Vai ganhando confiança, pois já está sendo capaz de suprir tudo que lhe é requerido.

A maternidade tem toda uma cultura sobre si, tem um romantismo bonito e tem muitas pressões sociais. Porém, tudo são teorias e percepções diferentes que são válidas para quem as tem e cada um vê como quer ou pode.

Eu escrevo este texto inspirada numa canção que estou desfrutando, no momento. Dia Especial do Tiago Iorc. Não se refere a maternidade, mas foi ao que ela me remeteu. Tem a ver com relações gratuitas. Tem muito a ver com a relação natural que as crianças e os animais nos proporcionam. O espírito leve da canção e do clip me conectaram com essa experiência.

O que eu quero dizer para minha filha e estendo a todas as mães de primeira viagem é:

 Você é mais corajosa do que pensa, mais forte do que parece e mais capaz do que imagina.

A vida nos apresenta muitos desafios, a própria maternidade é um desafio não por ser um: “sofrer no paraíso”. Não conheço dito popular mais infeliz que esse. A maternidade é desafio porque nos leva para um constante desconhecido, nunca se sabe tudo, cada filho é uma experiência e cada fase é única. A maternidade pode e deve ser vivida dentro da perspectiva de desenvolvimento humano e isso é, por si só, desafiador. Mas o que ela tem de especial?

Acredito que outras mães possam me ajudar a explicar isso e cada uma tenha sua interpretação.

Eu encontrei na letra dessa canção algo que me tocou e me fez lembrar a infância dos meus filhos e dos meus desafios de vida durante o período de crescimento deles:

“O amor é maior que tudo
Do que todos, até a dor se vai
Quando o olhar é natural

Sonhei que as pessoas eram boas
Em um mundo de amor
E acordei nesse mundo marginal

Mas te vejo e sinto
O brilho desse olhar
Que me acalma
E me traz força pra encarar tudo
Mas te vejo e sinto
O brilho desse olhar
Que me acalma
E me traz força pra encarar tudo”

É isso! Muitas vezes, ao me deparar com o brilho no olhar dos meus filhos me derreti e me senti mais calma, me conectei com a minha criança, recobrei o ânimo, carreguei energias, me enxerguei mais capaz e tive forças para encarar tudo.

Daqui mais um pouquinho vamos nos deparar com o olhar de um novo membro da família e só esse “olhar natural” que será retribuído com o olhar de amor dos nossos olhares, renovará a vida e reconheceremos em nós, novas forças para encarar tudo.

Ainda hoje posso dizer dos meus filhos, agora adultos: Mas te vejo, mas te vejo, mas te vejo… e sinto força pra encarar tudo”

Ser mãe (seja ou não biológica) não torna ninguém melhor que ninguém, mas é uma experiência que tem muita importância na vida de alguém que entende e reconhece seu valor. A maternidade não cria coisas, ela revela coisas, ela nos revela. Fora dela essas coisas também podem ser descobertas, porém, a vida ofereceu mais essa possibilidade para quem se torna mãe.

Se você é mãe, que tal compartilhar nos comentários aqui no Blog a sua experiência. O olhar dos seus filhos te inspiraram a seguir em frente? A superar desafios? A crescer pessoalmente? A enriquecer sua experiência de amor? Comente eu vou adorar saber!

Carinhoso abraço a todas as mães e futuras mamães.

Mais uma coisa. Sugiro que você escute a canção enquanto lê novamente o texto. Espero que goste tanto quanto eu.

Clique no link https://www.youtube.com/watch?v=y0wzDTutlmE

ESCRITO POR Edna Cassiano

DEIXE SEU COMENTÁRIO




*